Gazeta do RN

Notícias/Natal

Servidores da Saúde de Natal decidem suspender greve depois de um mês de paralisação

Decisão foi tomada nesta sexta-feira (13), depois que a categoria recebeu nova proposta de reajuste salarial apresentada pela prefeitura de Natal.

Servidores da Saúde de Natal decidem suspender greve depois de um mês de paralisação
G1/RN
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Servidores da Saúde de Natal decidiram nesta sexta-feira (13) suspender a greve que começaram há mais de um mês, no dia 11 de abril.

Segundo o Sindsaúde, que representa a categoria, a decisão aconteceu durante uma assembleia realizada pela manhã, onde os profissionais consideraram "avanços na negociação".

A assembleia extraordinária aconteceu em frente à Câmara Municipal, onde foi avaliada a nova proposta da Prefeitura de Natal e a possível judicialização do movimento.

Segundo o Sindsaúde, no entanto, fica mantido estado de greve, para observação do cumprimento dos pontos acordados na nova proposta.

"Caso a gestão não obedeça o acordo, principalmente no que diz respeito a primeira reunião da comissão da saúde para discutir as pautas, na primeira quinzena de junho, a saúde vai parar novamente", informou a entidade, em nota.

Entre os principais pontos propostos pela prefeitura para a categoria estão:

  • Tabela salarial atualizada - Grupo Auxiliar de Saúde, em 69,66%; Assistente em Saúde, em 62,97%; Técnico em Saúde, em 24,77% e Especialista em Saúde, em 9%;
  • Os profissionais do grupo Assistente em Saúde detentores de diploma ou certificado expedido por curso técnico, receberão seus vencimentos em conformidade com a tabela de Técnico em Saúde. 
  • Formação de uma comissão permanente com um representante de cada sindicato: Sindsaúde/RN, Sindern, Soern e Sinfarn, além de secretarias municipais, bem como da Câmara Municipal através da Comissão de Saúde e Comissão de Direitos Humanos e Trabalho, para tratar da implantação e pagamento retroativo das gratificações, adicionais de insalubridade, adicionais noturnos, atualização de quinquênios, progressões funcionais e revisão do plano de cargos, carreiras e vencimentos, com primeira reunião prevista para a primeira quinzena de junho.

A greve unificada da saúde de Natal durou um mês e dois dias. No período, serviços de saúde foram paralisados e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), por exemplo, operou com apenas metarde das ambulâncias.

 

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/rn

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem para nossa Central de Atendimento.